26 de novembro de 2017

CONFESSO QUE DEI O C…ZINHO PARA UMA TRAVESTI

Desde menino sempre gostei de umas sacanagens com meus amigos de escola. Fazíamos troca-troca, dava o cu e comia, mas gostava mesmo era de chupar o pau deles. Isto aconteceu até minha adolescência. Casei cedo, gosto de uma buceta, mas sinto falta de uma rola. Durante o sexo com minha esposa peço para ela lamber meu cu, enfiar o dedo… Gozo muito com isso! Mês passado minha mulher foi viajar, fiquei sozinho em casa uma semana. Resolvi que ia “matar” saudades das sacanagens com os amigos… Voltando do trabalho, umas 19.00 h, resolvi passar pela av. Republica do Líbano para ver os travestis que trabalham ali na região e, quem sabe, pegar uma delas para me divertir. Passei por uma boneca loira que me chamou a atenção. Dei a volta no quarteirão e parei para falar com ela. Ao se aproximar do carro vi uma verdadeira mulher, alta, loira, de minissaia jeans, pernas lindas e uma rola pequena, mas deliciosa! Acertamos o valor do programa e fomos a um motel […]

Veja mais
23 de outubro de 2017

PRÁTICA DO SEXO ANAL ENTRE AS MENINAS…

Muito praticado entre elas, mas pouco comentado. Apesar disso, muitas lésbicas fazem ou sentem curiosidade em fazer. Sexo anal entre lésbicas ainda é um tabu. Talvez por ser mais íntimo que a penetração vaginal, ou ainda por carregar certo tom de “submissão”, herdado do sexo anal heterossexual. A prática de sexo anal entre garotas, apesar disto tudo, é bastante comum. Atrevo-me a dizer, até, que é mais fácil uma mulher permitir ter o cuzinho penetrado pelos dedos da parceira do que pelo pinto de um homem, pois o desconforto que pode acontecer durante o início da penetração é bem menor. O começo… Quando as meninas resolvem praticar sexo anal, é fundamental que estejam bem confortáveis e com muito tesão. O cuzinho não é tão elástico quanto à bucetinha e pode sofrer algumas fissuras quando a penetração não é realizada com cuidado. Lubrificação é essencial, seja com muita saliva ou com lubrificantes. Uma alternativa para aumentar a excitação, ajudar a relaxar e lubrificar ao mesmo tempo é, na hora do sexo […]

Veja mais
14 de setembro de 2017

TUCKING – O TRUQUE TRANS PARA ESCONDER O PAU

“Esconder meus órgãos sexuais é o que menos  me preocupa. Conheço vários segredinhos das trans mais velhas que dão super certo. É o básico, a gente prende para trás, como todo garoto faz de brincadeira uma hora ou outra” LEA T. Como fazer o “TUCKING” Chama-se de “Tucking” a técnica que muitos dos transgêneros MtF utilizam para esconder o pênis e conceder à região pubiana uma aparência feminina, o chamado “capôzinho de fusca”. Obviamente, para àquelas que tem um pênis pequenino, o resultado do “Tucking” é quase perfeito, pois além de ocultá-lo, a aparência fica realmente de um órgão genital feminino. Existem várias técnicas de “Tucking”, mas uma das mais usadas é a de puxar o pênis para trás, por entre os testículos, e prendê-lo com esparadrapo de forte aderência pela pele que cobre a glande à base inferior entre glúteos. Após prender o pênis por sobre o saco e por entre os testículos, levante a pele do saco por ambas as laterais, unindo-as acima do pênis já preso para […]

Veja mais
10 de agosto de 2017

O GATO É FISSURADO NO SEU CUZINHO? CUIDADO!

Uma discussão no Twitter me chamou a atenção. Uma garota baiana respondeu a um cliente obcecado pela sua bundinha (linda por sinal) que – “Homem obsecado (sic) por cu pra mim é viado”. Entrei na conversa, tomei porrada da baianinha gostosa, mas minha curiosidade  pelo tema “homens fissurados em sexo anal” foi maior. Veja o que encontrei: De acordo com as conclusões obtidas pela Dra. Mary Collins Scheer, homem que gosta de entrar por trás na sua mulher (comer o cuzinho), na verdade gostaria que o vizinho estivesse lhe enrabando. “As mensagens subliminares embutidas na prática do sexo anal em relações heterossexuais” – é recheada de polêmicas. Ela discute um tabu tão antigo quanto a prática sexual. Dra. Mary afirma categoricamente que os homens que se dizem heterossexuais e “comem com frequência um cuzinho” estão em conflito com a orientação sexual deles. Para a Dra. Scheer “O ato sexual onde o homem deixa a mulher de costas para ele possui um simbolismo de negação da anatomia feminina. É uma manifestação […]

Veja mais
23 de maio de 2017

SEXO EM PRAÇA DE AMSTERDÃ É LIBERADO… CACHORRO NÃO

Políticos holandeses legalizaram o sexo ao ar – livre no Vondelpark, famoso parque de Amsterdã – Holanda. A atitude visa brecar a violência a gays que frequentam a área de paquera do parque. “A polícia diz que será mais fácil protegê-los se eles puderem se acariciar em público”. “Uma rapidinha escondida entre arbustos, que geralmente acontece por medo de multas, transformam os gays em alvos fáceis para eventuais ataques”. “Mas ainda há regras”, ele adiciona. “As pessoas devem levar embora a sujeira e o lixo, não podem meter perto do parquinho. E o sexo deve ser limitado para a noite”. Um britânico residente em Amsterdã elogiou a iniciativa, dizendo que, se cada um faz o que bem quer cuidando de si e ninguém fica ferido ou ofendido, não há problema algum. “Tenho certeza que todo mundo já transou num parque em algum momento da vida” O mais esquisito é que os políticos que liberaram sexo no parque vetaram cães sem coleira no parque. Um porta-voz afirma que os cães sem […]

Veja mais
10 de fevereiro de 2017

ESTUDOS COMPROVAM – MULHERES SÃO 80% FLEX

Estudo da Universidade de Essex – Reino Unido – reuniu 345 mulheres e comprovou que “Elas” ou são homossexuais, ou bissexuais – nunca heterossexuais. O pesquisador mostrou vídeos de homens e mulheres nuas e monitorou a resposta feminina, com a ajuda de equipamentos para vigiar os olhos (que assinalavam a dilatação das pupilas) e outras medidas diretas de resposta sexual psicológica. O resultado: 74% das mulheres que se definiam como heterossexuais se excitavam tanto com o corpo um homem peladinho, como com o de uma mulher. Já as lésbicas dão uma resposta sexual muito mais forte quando confrontadas com a forma feminina. Ao todo, 82% das mulheres testadas excitaram-se com as imagens dos dois sexos. “Apesar da maioria das mulheres se ter identificado como heterossexual, a nossa investigação mostrou que quanto ao que as excita, são tanto bissexuais como homossexuais, mas nunca heterossexuais”, concluiu a pesquisa.

Veja mais